Microbiota Intestinal e Obesidade


Imagem: Sban

A microbiota intestinal é formada por microrganismos no intestino que auxiliam na digestão e absorção de nutrientes. Durante a gestação, a placenta é um ambiente estéril, e somente após o parto ocorre a colonização do intestino e outras mucosas. Existe uma relação fundamental entre o intestino e a saúde, pois em condições de desequilíbrio, ocasiona um supercrescimento bacteriano. Desta forma, gerando uma produção de toxinas e aumentando assim a permeabilidade intestinal, que por sua vez, faz com que ocorra uma maior passagem de substâncias entre a mucosa. .
Em indivíduos obesos ocorre essas modificações, em decorrência do padrão alimentar que não dá suporte à integralidade intestinal, desfavorecendo a sua função de atuar como um canal entre os nutrientes e como barreira contra toxinas. Atualmente é utilizado como uma estratégia coadjuvante na prevenção e tratamento desta condição os probióticos que são microrganismos vivos que, quando ingeridos em quantidades adequadas, exercem efeitos benéficos ao organismo e, os prebióticos que são fibras alimentares que são consumidas no intestino pelos probióticos favorecendo assim o seu crescimento e desenvolvimento no intestinal. Com a utilização dos mesmos acontece a melhoria no padrão lipídico, assim como a redução de marcadores pró-infamatórios, e na regulação da saciedade. Portanto acredita-se que a modulação da microbiota intestinal seja um recurso promissor na prevenção da obesidade.

Texto: Q4 Nutrição

•FROTA, Karoline; Effect of prebiotics and probiotics on the gut microbiota and metabolic changes in obese individuals- Nutrire. 2015 Aug;40(2):173-187. Disponível em:<http://sban.cloudpainel.com.br/files/revistas_publicacoes/463.pdf>
•VANDENPLAS, Yvan; et al; Probiotics: an update- J Pediatr (Rio J). 2015;91(1):6---21. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v91n1/pt_0021-7557-jped-91-01-00006.pdf>
•SAAD, Susana Marta- Probióticos e prebióticos: o estado da arte- Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciencesvol. 42, n. 1, jan./mar., 2006.Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcf/v42n1/29855.pdf>

0 comentários